Mensagem do Presidente

Junho de 2018

Do you Speak English? We certainly hope so...

Apesar de toda a actual tecnologia existente nas aeronaves (no Airbus 330 tenho, mesmo por baixo de mim, mais de 210 computadores), desde que aprendi a pilotar aviões que constato que estes voam da mesma forma, tanto do ponto de vista da pilotagem, como do ponto de vista da aerodinâmica.

Mas isto é muito diferente de dizer que na profissão de Piloto pouco mudou. Antes pelo contrário, muita coisa mudou, especialmente depois do fatídico dia 11 de Setembro do ano de 2001, ou apenas o 9/11. A título de exemplo, antes do 9/11, por questões de segurança era obrigatório descolar e aterrar com a porta do cockpit aberta, pois se houvesse uma emergência o cockpit não estaria isolado da restante cabine da aeronave. Após o 9/11, também por razões de segurança, a porta do cockpit passou a ser uma estrutura blindada e a estar trancada durante todo o voo. Tudo parecia estar então resolvido no que toca à segurança do cockpit, não obstante a APPLA ter chamado a atenção para outros perigos inerentes à porta blindada e sempre trancada, até que se deu o caso do Germanwings, em que o grande obstáculo à segurança foi precisamente a porta do cockpit ser blindada e estar trancada.

Outra questão também algo relacionada com o 9/11 e que passou a ser prioritária foi a componente das comunicações. Não obstante a hierarquia das prioridades para qualquer Piloto que se prese deva continuar a ser a mesma, Aviate (ou Fly), Navigate e Communicate, em que “comunicar” é a última das prioridades, ainda assim sabemos perfeitamente que esta é uma das três grandes prioridades.

O idioma internacionalmente aceite para a Aviação Comercial, desde há muitas décadas, é o inglês. Hoje em dia não basta um Piloto dominar o inglês típico de fraseologia aeronáutica para poder voar internacionalmente, pois a ICAO implementou o inglês aeronáutico para que a componente não técnica pudesse evoluir. Com o advento das comunicações escritas (CPDLC – Controller Pilot Data Link Communications), o inglês assume um nível de importância ainda mais elevado, sendo previsível que a examinação possa vir a incluir a componente escrita, assim como ser alargada a vários outros profissionais das áreas operacionais da Indústria Aeronáutica.

Atenta a todas as questões técnicas inerentes ao Transporte Aéreo, a APPLA, em conjunto com a TOS – Take Off Sirius, organizou mais um curso de inglês, desta feita um curso de Verão, também alargado a outras pessoas que não sejam Pilotos, havendo condições muito especiais para os Associados da APPLA e para os Assinantes da TOS, conforme esclarece a publicidade feita a este curso que está na página 35 desta edição da TOS.

Flying or not, may you all have great flights

Mensagem do Presidente

Miguel Silveira

Presidente da APPLA - Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea

Piloto de Linha Aérea